16.4.13

AUSENTAM-SE


Ausentam-se e deixam as marcas do vidro 
nos rebordos das mesas, 
no preto e branco das salas vermelhas. 
Sentam-se, com se vivos fossem, 
no chão vermelho a preto e branco. 
Não desistem de nos afagar os cabelos, 
de nos beijar a boca, de nos deitar no sono, 
de nos deixar exaustos de bem-querer. 
Circulam, ondeiam, nas pupilas dilatadas 
à entrada dos túneis. 
Antes ou depois, entenderemos os loucos da cidade.

Licínia Quitério

arquivo

 
Site Meter