18.5.06

NATÁLIA


O ESPÍRITO

Nada a fazer, amor, eu sou do bando
impermanente das aves friorentas;
e nos galhos dos anos desbotando
já as folhas me ofuscam macilentas;

e vou com as andorinhas. Até quando?
À vida breve não perguntes: cruentas
rugas me humilham. Não mais em estilo brando
ave estroina serei em mãos sedentas.

Pensa-me eterna que o eterno gera
quem na amada o conjura. Além, mais alto,
em ileso beiral, aí espera:

andorinha indemne ao sobressalto
do tempo, núncia de perene primavera.
Confia. Eu sou romântica. Não falto.

NATÁLIA CORREIA


Encontrei na net a imagem que introduz este post. Terá sido feita por um aluno (aposto que foi por uma aluna) de uma escola do ensino básico. Foi a partir dela, sei lá eu porquê, que me lembrei deste magnífico soneto da Natália Correia. "Eu sou do bando impermanente das aves friorentas...". Não posso saber se a mulher impetuosa que dizem ter sido Natália Correia teria gostado desta associação, mas o que vou conhecendo dela deixa-me a impressão de que o fogo que a envolvia se casava com um frio intenso a fustigar-lhe o espírito. E não é que consigo ver esse espírito de Mulher-Poeta na "naïveté" de uma criança?
A minha humilde homenagem, Natália!

Licínia Quitério

12 comentários:

Hortência disse...

Cara Licínia,
Obrigada pela visita e pelo comentário, que muito me alegrou...
As mulheres entendem mesmo os sentimentos alheios.
Gostei do sentimento que senti quando li o poema. Foi uma sensação agradável após um dia tão cansativo.
Beijos

Unknown disse...

O poema é lindo e,a ideia de ,a partir de um desenho de uma criança,é uma ideia brilhante.
Parabéns pelo seu Sítio.

Titá disse...

Licínia, terei todo o gosto em dar teu recado ao Sr. Eduardo. Aliás, estou a pensar imprimir não só o post como os comentários e oferecer-lhe...ele adora mimos destes ehehehehe.
Beijos e bom fim de semana!

Amei o poema de hoje!
Só há pouco tempo me aproximei da obra de Natália Correia, mas estou fã incondicional.

Clotilde S. disse...

Ainda bem que me foste visitar. Lindos versos os teus!Belas imagens!Quanto à Natália, creio que haveria de gostar, sim, da associação."ò subalimentados do sonho, a poesia é para comer!" Com este grito quase raivoso, quase irado, a Natália incitava à Poesia.
Um beijo grande de quem vai voltar aqui muitas vezes.
C.

Clotilde S. disse...

Tenho mais textos e poesia no meu blog
www.textos-e-pretextos.blogspot.com

Se quiseres fazer o favor de visitar.

Beijo


( E outra coisinha, eu sou de Torres Vedras )

Hortência disse...

Façamos sim poesia!
Abraços

Manuel Veiga disse...

Atrevo-me a opinar que a Natalia gostaria da tua associação. A imagem esta mto lirica/poetica e diz bem com a "andorinha indemne ao sobressalto", que a Poeta terá sido...

M. disse...

E eu que não sabia da existência deste sítio! O que eu perdi até agora! Gostei mesmo do que aqui encontrei, das cores que o preenchem, do azul com palavras tuas, das imagens.
É verdade, e já me esquecia de agradecer a visita à minha janela. Grata pelas palavras que lá deixaste.

Jorge Castro (OrCa) disse...

Creio que a Natália teria apreciado a associação. Ela era uma mulher (um ser humano) de intensíssima respiração. Como não lhe agradar, então, uma tal fresca brisa?

Quantas vezes a virulência aparente apenas ilude a insatisfação por insuficientes afectos?

umacoisaemformade_assim disse...

... e fizeste uma bela associação.

margot disse...

Licínia,
Nunca teria pensado em tal associação.
Habituei-me a ver a Natália como uma pitonisa ou uma feiticeira, pintando belíssimos quadros com palavras, ora firmes ora suaves, mas sempre como uma lição.
No entanto, o convite para participar neste espírito dos sentidos deixado pela Natália, pode ser despertado pelo voo chilreante das andorinhas.
Margarida

jorgesteves disse...

Homenagem a que me junto (sempre)!...
abraço,
jorgesteves

arquivo

Powered By Blogger
 
Site Meter