6.5.08

ARQUITECTURA





Não voltes a perguntar-me
o caminho do céu.
Eu moro aqui
nas sólidas construções.
Esta é a arquitectura dos tectos falsos.
Só demando a limpidez dos vidros,
a afirmação das cores,
a exactidão dos ângulos.
O resto é com os pássaros.


Licínia Quitério

17 comentários:

Perdido disse...

Vinha para te perguntar o caminho para o céu, mas, sendo assim, já não pergunto. Soube agora que moras em sítios finaços mas que, apesar de gostares de tudo limpinho, os pássaros ... enfim! ... o que a gente sabe.

Desculpa a chalaça, mas é tudo o que posso fazer para varrer a má disposição. Sei que não tens nada a ver com isso, mas detestava chegar a Lisboa e não vir cumprimentar-te. By the way, gostei das tuas janelas.

Beijinhos.

Rui disse...

Olha, pássaros. eles andem aí, de facto.

A ver se, pousados nos beirais, não lhes dá para borrar a fachada.

Graça Pires disse...

O resto é com os pássaros.
Os pássaros que voam bem alto para perderem a sombra.
Um beijo Licínia.

Justine disse...

Encantei-me com o teu texto, de leitura clara e poética. E a foto, que bem se enquadra.
Parabéns, e um abraço

Maria Laura disse...

E se vivermos rodeados de limpidez, afirmação e excatidão, já não é mau. Deixemos o sonho para os pássaros.

Miguel Barroso disse...

Atento, o leitor delapida-se e frui o ninho...

pin gente disse...

os pássaros ofuscam-se com as electrizadas luzes
revoltam-se em bandos com piados loucos
deixam-nos como eles sofrendo aos poucos
ou vassalos das construções e das cruzes


um abraço
luísa

un dress disse...

sou de ninhos habitada

ali

onde me

voo

en

cruzilhada




beijO

hfm disse...

O resto que é tudo.

bettips disse...

Gravar o azul
reflectido no vôo dos pássaros.
Bjinho

TINTA PERMANENTE disse...

Será por saberem o caminho do céu que os pássaros têm penas?...
(os vidros, assim, lembram o espelho da Alice...)

abraços!

maria m. disse...

bonito poema, Licínia!

legivel disse...

... foi -mais coisa menos coisa, o que disse Arsénio, quando esbaforido se viu com os pés em terra firme depois uma angustiante viagem de balão de ar quente.

Não foi ao pormenor (nem creio que tenha arcaboiço para tanto) dos tectos falsos e da exactidão dos ângulos. Ah! e dos pássaros nem quer ouvir falar pois uma águia passou-lhe em voo rasante pelo nariz.

beijinhos e sorrisos.

maria josé quintela disse...

o caminho do céu é da natureza dos pássaros.


nós


temos os olhos.


um beijo.

São disse...

O caminho do céu passa por palavras tão bonitas com as que acabei de ler:obrigada.
Feliz final de semana.

herético disse...

excelente. na "exactidão" das tuas palavras. rectas...

beijo

maria josé quintela disse...

volto invariavelmente aqui.


acho este poema fabuloso!


um beijo.

arquivo

 
Site Meter