29.9.17

BALADA DA PORTA FECHADA


É a porta fechada
Dessa casa assombrada
No dizer das mulheres
Ligeiras no andar
E o vento a sussurrar
Vai chegar vai chegar
O tempo de arrombar
Essa porta fechada
Dessa casa assombrada
E a mulher a pensar
É comigo é comigo
Que ele está a falar
Amanhã vou voltar
Rente à casa passar
O meu ombro encostar
À ombreira da porta
Baixinho perguntar
Quem foi que te assombrou
Quem foi que te fechou
E a casa a responder
Alguém que não gostou
Da luz que em mim brilhou
E esta porta fechou
E sobre mim espalhou
Este manto de sombra
E as mulheres afastou
E os homens afastou
E o medo semeou
E desde então ninguém
Junto de mim passou
Nem sequer reparou
Que a luz não se apagou
E às vezes é luar
E às vezes nevoeiro
E às vezes é braseiro
A descair no mar
A mulher despertou
Não sabe se sonhou
Mas pela casa passou
E a porta estava aberta
E lá dentro era dia
E o vento sussurrou
Foste tu que mataste
A sombra que assombrou
A casa que voltou
A ser luz a ser guia
Tu que por mim passaste
Contra o medo lutaste
E o teu ombro apoiaste
Na ombreira da porta
Que não mais se fechou
Licínia Quitério

26.9.17

OLHA-ME



Olha-me, de olhos fechados, para melhor me veres. 
Toca-me, como se eu fosse de barro e pudesse quebrar. 
Fala-me, baixinho, que ainda não é dia na casa de orações.
Dá-me o teu manto que eu dou-te a minha pele.
Pega-me, que tu és pai e mãe e eu sou filho.
Leva-me para longe desta terra ingrata.
Deixa as jóias, as facas, as máquinas da fome.
Atreve-te ao grande mar de enganos.
O mundo inteiro está à nossa espera e nos receia.
Entre o ir e ficar, entre a morte e a morte, vamos.
Se formos sempre em frente, voltaremos,
porque a Terra é redonda, sabem os voadores.
Olha-me, toca-me, fala-me, leva-me
para lá das farpas, para lá do medo, ao país
que restou e onde se diz haver uma mulher
e um homem e um filho desejado
por nascer.


Licínia Quitério

11.9.17

CONVITE



No próximo dia 23 de Setembro, será apresentado este meu livro, editado pela Poética Edições, na Sociedade Guilherme Cossoul, Av. D.Carlos I, em Lisboa, pelas 17 horas. Francisco José Faraldo, escritor, será o apresentador.

Estão todos convidados para um encontro comigo e com o meu novo livro, no dia e local indicados.

Saudações fraternas.


Licínia Quitério

7.9.17

A PLANÍCIE


Quero dizer-vos que estou aqui
e me pergunto de onde venho
como cheguei
quem me pegou na mão
e disse vem e fala
vem e escreve
e eu falei e  eu escrevi
Depois foi só esperar que a voz
soubesse o marulhar das ondas
e as palavras fossem
o caminho onde toda a aventura
é uma planície aberta e limpa
à espera da semente que a fecunde
Não sei se sou a terra ou sou o grão
se sou a mão ou o arado
Sei que vou continuar
na voz do vento
no vai-vem das marés
sem perguntar quão vasta é a planície
quem me espera na outra face da Lua
Ninguém me deu o livro
das verdades
mas eu vou

Licínia Quitério

arquivo

 
Site Meter