14.9.08

AO NORTE 2









Dá-me a bandeja da tua mão para as oferendas do país distante onde as conversas poisavam antes do gelo na boca das cavernas. Não bem conversas, mas músicas tecidas nos invisíveis fios.

Trago-te a batida das asas da águia, o sopro da flauta do pastor, a doçura do olhar do cervo, a fundura dos lagos, a mudez hierática dos castelos assombrados, o choro dos vencidos e também o choro dos vencedores, as estranhas palavras acentuadas a bronze e sangue e a chuva poderosa e vertical.

Tudo te dou que por ti fiz o caminho.

Mais não trouxe senão esta vontade de chegar.


Licínia Quitério

18 comentários:

Justine disse...

Trazes tudo o que é primordial, e di-lo em tom de abandono e alguma perplexidade. E chegarás, porque aí a tua vontade te leva.
Belíssimo.

Maria Laura disse...

Dás tudo o que tece o encanto da terra. Ao norte.

batista disse...

tuas palavras: eterno versejar que assoma à janela de minh’alma, sempre que aporto no teu sítio.
fica o abraço fraterno desse teu Amigo/Irmão... em minhas veias há sangue ameríndio, ibérico e africano... mas o que faz com que te trate por Amiga/Irmã - mais que o sangue –, é o que perpassa pelo versejar.

Graça Pires disse...

A vontade de chegar. A norte da tristeza.
Um beijo.

Mateso disse...

Recebo as tuas palavras -imagens no ventre da terra-mãe, aqui onde o sol nasce primeiro, a música é mais pura e o sentir quiçá mais bravio.
Lindo !
Bj.

Vieira Calado disse...

Um texto muito bem escrito, de belos contrastes.
Beijinho.

bettips disse...

Comovente, ancestral.
A palavra da terra - a da partida, a da chegada.
Um dia...o poema que se vai construindo, Licínia, assomará.
Bjinho

M. disse...

Um verdadeiro e belíssimo poema de amor!

heretico disse...

mágico texto...

que os mais belos caminhos se abram. na tua vontade de chegar...

beijos

Maria disse...

Belíssimo, belíssimo, Licínia...

Um beijo

CNS disse...

O cheiro de vento granitico. A terra mágica. Tão bonito...

c disse...

eu continuo sem perceber como conseguem isto. e fico furiosa :)

mena m. disse...

Trazes nos olhos a paisagem, nos ouvidos a música e no coração a melhor prenda, essa vontade urgente de chegar!

Que lindo!

legivel disse...

... chegado aqui, é tempo de tomar o gosto às palavras e à música de todos os tempos que delas transpira. Depois é tempo de partir com a alma aconchegada, sabendo que o regresso é sempre uma certeza.

abraço amiga.

Marinha de Allegue disse...

Entranhables e agarimosas as túas palabras, así es ti...

Beijinhos desde Compostela Licínia.
:)

Mar Arável disse...

Sobretudo a chuva vertical

bjs

Vanda disse...

E assim é, tudo nos ofereces...


Tudo nos retratas.



Belissima fotografia e as palavras, Licinia, essas, tão envolventes que nos levam em viagem no tempo...

beijo de bom domingo!

innername disse...

a norte ou no centro do coração?
Tudo te dou que por ti fiz caminho
bela forma de dizer amor
espero que o silêncio de pé continue a inspirar-te

arquivo

 
Site Meter