28.7.09

DOS TIGRES


O novelo das horas tem as cores térreas do tigre,
a tensão das garras do tigre na tapada,
a quietude do concílio das gaivotas,
um zumbido de moscas em redes de ganância.

Só a água, quando for dela o dia, ternamente,
dissolverá o erro, e o medo escorrerá, aveludado,
pelos corpos dos amantes. Da fúria, um beijo novo.
Os tigres dormem, na tapada.

Licínia Quitério

12 comentários:

Paula Raposo disse...

Fortes as tuas palavras! Gostei muito. Muitos beijos.

Ad astra disse...

Lindo!

Um beijo

Lídia Borges disse...

As palavras em certas vozes são mágicas, sabem criar paisagens que falam e se fazem ouvir.
É este o caso.

Um beijo

Graça Pires disse...

os tigres dormem na tapada. Os amantes também. Um belo poema,Licínia. Um beijo.

Mar Arável disse...

Os tigres ditos assim

têm alma de gente

Arabica disse...

Licínia!


Tão belo!
Adormecidos tigres, que um dia acordarão...

Um beijo

maria m. disse...

Belo!
da água... a purificação, o desejo, o amor.

beijos!

Vieira Calado disse...

Moderno.

Bem escrito.

Com substrato.

Bom fim de semana,

para si.

JOSÉ RIBEIRO MARTO disse...

deixai os tigres dormir, na excelência do verso .
Cordialmente
_________ JRMarto

M. disse...

Uma belíssima maneira de falar da esperança.

heretico disse...

tigres apaziguados. no sortilégio de tuas palavras. belíssimas...

beijo

moisés poeta disse...

adorei seu poema ! lindo !!
um beijo grande !!

arquivo

 
Site Meter