31.10.11

PODES PEDIR-ME UM BEIJO




Podes pedir-me um beijo nos dias de escarlate
quando as trepadeiras sangram
e eu visto a leveza dos vinte anos e dos outros
que decidimos guardar para não morrer.
Sabíamos que tudo havia de passar -
os muros, a trepadeira, o coro das velhas pela noitinha,
a tua mão pedindo a minha no declive da serra,
na ameaça do tojo.
Continuámos a desbravar ruínas,
a construir palácios de ninguém,
a apregoar unguentos,
que as feridas não soubemos afastar.
Breve foi o tempo, grande foi o lugar,
saudosa a guerra que ninguém perdeu,
amor menino que não envelheceu.
A trepadeira vive, o meu vestido é leve.
Nenhum beijo tem mais de vinte anos.
Digo-te sim nos dias de escarlate.


Licínia Quitério

8 comentários:

bettips disse...

Os anos são um tropel
de cavalos soltos.

Bjs

Maria disse...

Doce é o beijo nos dias de escarlate.
Maravilhoso é o beijo que damos hoje e não tem mais de vinte anos...

Um beijo, Licínia.

Justine disse...

Que beleza!Que pungente e doce é o teu poema, amiga!

© Maria Manuel disse...

Que lindo, Licínia, o teu poema traçado a escarlate! cor viva do sangue que nos corre nas veias, também da paixão, beijos e trepadeiras, feridas e sonhos, tanto que guardas na memória feliz.

beijo :)

heretico disse...

flor aberta. em vermelho vivo.
orvalhada de ternura. como beijo juvenil...

belíssimo

beijo

Mar Arável disse...

Uma ternura de texto

hfm disse...

O tempo, o tempo, minha amiga.

bettips disse...

... ah pede-me uma revolução em dia vermelho...
Bj

arquivo

 
Site Meter