23.10.12

UM CANSAÇO




Há um cansaço por dentro desta tarde. Uma falsa quietude de seivas adoecidas. Bichos por entre as folhas mortas, amontoadas. Uma vozearia rumorosa, de palavras decompostas, insignificantes. O rodado dos carros é um rugido de feras severamente castradas. A minha cabeça inclina-se sobre a luz das candeias que nunca acendi. Há pobres à minha porta que desdobram papéis e recitam orações de santos que nunca adorei. Espero ainda as respostas impossíveis às perguntas impossíveis com que nasci. Chama-me a tarde, apodrecida e escura, entre o asfalto e as canas bravas, as velhas estrelas e um novo planeta. Cansada tarde, inclinada sobre a minha cabeça, comovida pelas luzes das candeias que ainda brilham, que ainda brilham.


Licínia Quitério

4 comentários:

Mar Arável disse...

Na ausência de relâmpagos

que brilhem as candeias

heretico disse...

importa renascer das cinzas. e dos cansaços...

beijo, amiga

M. disse...

Imagem e escrita em uníssono a darem-nos de forma muito forte essa sensação de cansaço.

Justine disse...

Sim, chega-nos por vezes um cansaço triste. Mas, tu o dizes, poeta,há "candeias que ainda brilham, ainda brilham"!

arquivo

 
Site Meter