15.10.13

ESTA CASA













Esta casa tão frágil que qualquer brisa abana
guarda elmos, espadas e couraças,
testemunhos de guerra no tempo da inquietude.
Dos dias da acalmia nem as rendas ficaram
que os bichos nos armários delas se alimentaram.
É uma casa pintada a manchas, cicatrizes,
com uma asa de corvo presa ao tecto a lembrar
o anúncio, a persistência, o rancor, o triunfo.
Solitária casa abandonada, exposta ao invasor
que conta portas e lhes arranca os trincos.
Não resiste a casa. Ganhou a transparência,
a leveza dos véus que já não velam. Sobe.

Licínia Quitério

2 comentários:

heretico disse...

que dos escombros as paredes se ergam - aprumadas!

beijo

Anónimo disse...

A cadência dos teus olhos e palavras fazem-na VIVER!
Bj da bettips

arquivo

 
Site Meter