22.4.06

DOS MENINOS


Um Senhor POETA que anda por aqui disse num dos seus belíssimos poemas: " Há mundos insondáveis no riso que me lança e que acende no meu peito uma criança...". É de facto algo que sentimos, mas que raramente afirmamos, talvez por pudor, talvez por medo que a criança se assuste e se apague. Foi para esses meninos escondidos em nós que soltei este brinquedo.

AVIÃOZINHO

Voa voa aviãozinho de papel
O menino a dobrar e a redobrar
seu olhinho dizendo abracadabra

Resultou
A folha de papel acreditou
que era avião
voou subiu e o menino viu
a espuma branca e doce
onde dormitam anjos

O menino eras tu
que ainda dobra e redobra
folhas de papel
sempre que a brisa sopra
na esperança de rever
o anjo enroscadinho
uma asita pendente
a acenar a afirmar

Todo este céu é teu
Basta acertar no preceito da dobra
no momento da brisa
e cavalgar a folha de papel
a cabeleira solta
o peito descoberto
e respirar bem fundo
o cheiro ao novo mundo
em que o amor é lei
e o pensamento a estrada

Não pares de dobrar de redobrar
mas pelo sim pelo não
põe de lado a razão
e diz abracadabra

Licínia Quitério

3 comentários:

Paula Raposo disse...

Dobra-se e redobra-se o momento de magia!! Beijos.

jorgesteves disse...

Um belissimo poema em tempo àvido de sonhos...
jorgesteves

Era uma vez um Girassol disse...

Meninos dentro de nós, significam sonhos para a vida inteira...
Felizmente!
Poema doce, gostei imenso!
Bjinhos

arquivo

 
Site Meter