20.8.06

DA GUERRA


Delacroix - Entrada dos Cruzados em Constantinopla

Chegam notícias da guerra.

Disseram-me que as guerras
visitam as cidades.
Tenho medo.
A minha cidade é antiga.
As ruas têm pedras soltas
em que os velhos tropeçam.
Na torre da igreja maior
faltou o azeite.
As corujas partiram.
Os jardins estão pobres
(a chuva tem sido salgada).
Mas na cidade eu habito
e nela acolho os irmãos
e os filhos deles.
Na pequena praça
há o banco verde
com uma criança ao colo.
É uma cidade triste,
mas antes de o ser
já era a minha cidade.

Chegam notícias.
Penso fechar as portas da cidade
e convocar as cores.
A cidade será
o ocre da planície,
o cinzento do céu.
Cidade sem cidade.

Dizem as notícias
que a guerra nada sabe do silêncio.


Nos teus olhos morava, desde há muito, a guerra. Talvez lá tivesse estado desde o princípio. Da guerra soubeste quase tanto como do amor. Quando ela, sem convite, se sentou à tua mesa, afastaste decididamente as formigas de asa que te disputavam a carne ressequida. Olhaste os pés e viste que te tinham calçado botas de soldado. A palavra inimigo passou a morar diante da tua porta. Pensaste em acompanhar a debandada das formigas de asa e procurar o deslumbre de uma lâmpada. Mas mandaram-te ficar. Vestiste as cores sujas dos guerreiros e defendeste o teu charco e a pele dos teus homens. Apuraste os cálculos e a pontaria. Conseguiste, disparando, dizer ao inimigo: "Não te matarei. Não me matarás.". O pacto foi selado na escuridão da noite tracejada pelo lume das balas .
Na tua guerra ninguém morria. Até ao dia em que, de ambos os lados, o pacto foi quebrado. Nada pudeste fazer. Voltaste, incólume. Mas nem o amor conseguiu tirar dos teus olhos a dor de teres visto a guerra.


Licínia Quitério

18 comentários:

Maria P. disse...

O deslumbramento das tuas palavras abafa o som da guerra. Excelente.

Um beijinho, Amiga, e boa semana.

herético disse...

até na guerra pode haver uma cançao!

... e uma praça pode arder como archote. numa cidade antiga.

arrepiei-me, na minha memória da guerra!

GTL disse...

a guerra é sempre má mesmo quando bela!
TG

saKuraBunekOlaNdi@ disse...

A guerra devia ser universalmente proibida...em tempos disse uma cisa: "Mas porque é que eles não arranjam um país, desabitado, onde podem se escavacar á vontade, deixando as familias nos seus locais em segurança, sem meterem as crianças a assistir a todas estas barbaridades"
-Em fim talvez um páis fosse bom...
Mas relativamente á guerra e a kem já teve k batalhar numa... faz me lembrar o meu avô uma pessoa que a teve de enfrentar de perto a guerra do ultramar, quando voltou... tinha muitos pesadelos, enfim para além d morte de muitos inocentes transtorna muito as pessoas, porque chegam a ve4 colegas e amigosa seus a morrerem ao seu lado no meio do mato sem ngm poder fazer nada. A guerra é uma coisa muito triste em todos os aspectos, até a guerra no amor, ´saí sempre alguem feridoe magoado.
beijo gostei mt.

vida de vidro disse...

E quantos guardaram (e guardam) em si, para sempre, a dor de ter visto a guerra!
Um texto emocionante. **

FOTOESCRITA disse...

Não tenho palavras, Licínia. Comovi-me. Eu que nada sei da guerra.

JPD disse...

Troia foi destruida por Helena -- a mulher mais bonita de então -- lúbrica e volúvel ter aceitado Heitor.
Actualmente, ama-se fugazmente e guerreia-se demasiado assiduamente, já quase se aterroriza!
Bjs

legivel disse...

Era um pacifista convicto. Tão convicto, que odiava de tal forma a guerra, que seria bem capaz de arranjar uma guerra... para acabar com a guerra.

Desgraçadamente, o homem nunca deixará de se matar, invocando os mais singulares protestos.

Abraço.

aquilária disse...

belíssimo.
sem palavras para descodificar o arrepio que me percorreu, ao ler-te.

haverá um dia em que as cidades se vestirão de branco

um abraço (foi bom ter vindo dar aqui uma espreitadela) :)

Era uma vez um Girassol disse...

Quanto de belo e de horror!
Custa sempre, seja onde for...
Bjs

Ana Prado disse...

Caramba... comovente. Não, antes turbilhão. Excelente.
Um beijinho

alikimista disse...

....sem palavras...pq fascinado ;-)

Bjs

alice disse...

venho em paz dar-lhe um beijinho

não aguentei as saudades

espero-a bem ;)

alice

sabr disse...

Francamente sedutor. E tema difícil, este. Boa tarde.

marginal disse...

"na tua guerra ninguém morria" - um grito de esperança (?)
muito bonito

Hortência disse...

Primeiramente quero agradecer a bem humorada visitada ao meu blog. Em segundo lugar, comentar seu poema: muito bonito, faz a gente pensar em vários tipos de guerra.
Um beijo
Hortência

DIAFRAGMA disse...

Impressionante.
Verdadeiramente impressionante.

Teresa David disse...

Como sempre nos seus posts encontrei a completa sintonia entre as palavras e imagem escolhida.
Bjs
TD

arquivo

 
Site Meter