5.11.09

A ESCRITA DA CHUVA



A escrita da chuva é miúda, madrugadora, breve. 
Escrita, apenas, livre da escravatura das palavras. 
Quem  sabe ler a sua transparência?
Quem lhe desvenda o verbo na liquida mudez? 
Alguém falou do tempo efémero na cintura do dia,
de relâmpagos e árvores tombadas à entrada das cidades,
de cavalos fumegantes e do susto das donzelas na orla das planícies.
Nada a propósito da escrita da chuva no recorte do Outono.

Licínia Quitério

18 comentários:

hfm disse...

Sabemos da transparência da escrita por isso ela nos devora. Belíssimo!

Dri Viaro disse...

Bom dia!!
Vim conhecer seu blog, e desejar bom fds
bjsss


aguardo sua visita :)

maria m. disse...

tudo a propósito porque tudo é possível na escrita, «na escrita da chuva», águas onde as palavras fluem em universos poéticos e gotas raras de beleza, como os teus poemas.

Lídia Borges disse...

Ler a escrita da chuva nestas palavras transparentes foi um enorme prazer.

Obrigada!

Mar Arável disse...

Que chova

nas nossas línguas

As tuas palavras

liquidas simples e belas

em todas as estações

desbravam caminhos

acordam-nos

bettips disse...

Bebo.
A escrita e a chuva miúda
pequenos os tragos
mansos os traços
verdes os laços.

Bjinhos Licínia

Justine disse...

Leve, fresca e doce, a tua escrita em pingos de palavras belas.
Que bem escreveste, amiga!

Maria disse...

Bonita esta escrita breve e líquida tão rapidamente absorvida pela terra mãe... que a devolve em flor.

Um beijo

mena m. disse...

Como gosto desta tua escrita de água molhada!

Bom fim de semana e um beijinho!

Graça Pires disse...

Escrita transparente. Palavras a lembrarem lágrimas...
Um beijo Licínia.

maré disse...

a palavra e o cunho orvalhado da mudez

translúcida

como a chuva


_____

um beijo

Rui Fernandes disse...

Não entendas que estou do contra, estou só um pouco rezingão: daí o comentário um pouco ao lado, parecendo quase que do mano Rodrigo.
Ora o meu ponto, que é certa e inconfundivelmente de exclamação, tem a ver com a estranheza e o pasmo de ver,ultimamente, as sovas que tem levado ... a palavra!

O Padre Carreira das Neves exorta o Saramago a não ver só o lado literal das coisas, a densidade material e real das palavras, e, indo para além, vendo-as à transparência, lobrigar o inebriável e inefável mundo das metafísicas. Outros andam para aí, também, metendo as palavras a ridículo, e escancarando-as de forma grotesca e atabalhoada. "Tu quoque", Licínia? com essa da "escravatura das palavras"? Com o apelo a lê-las à transparência como se de vitrais medievos se tratasse? À procura do "Logos" no santo graal? Vai-se a chuva e o que fica dessa escrita depois da passagem dos ventos do outono?

Desculpa o mau humor e procura desvendar-me o verbo na sólida tagarelice. Um beijo.

heretico disse...

dolente a chuva. como notas de um cello solitário...

belo. o poema.

sempre.

beijo

CNS disse...

A transparência e liquidez das tuas palavras.

Arabica disse...

Tudo a propósito da escrita da chuva no recorte do teu poema.

Um abraço, Licínia.

Boa semana.

bettips disse...

Esquece-se a escrita
de tanta chuva correndo
no limbo.
Bjs

legivel disse...

... desceu do cavalo fumegante e bateu à porta da cabana-com-telhado-de-colmo (por sinal, a única naquela floresta de palavras orvalhadas).

- Entre donzela, que está um autêntico pingo! Sim, sou o guardião da escrita transparente e parece que adivinhei que hoje iria ter visitas. Já lhe preparei um banho retemperador e se assim o desejar, peça-me que lhe irei lavar as costas...

- Calma homem! Eu apenas vim deixar um comentário no Sítio do Poema e não procurar uma aventura. Ou pensa que não sei ler à sua transparência?

A donzela deixou o comentário - com letras escorrendo chuva - e foi à sua vida. O recorte do Outono, era agora um ponto no horizonte da escrita.

Sorrisos.

M. disse...

Porque há escritas que não precisam de palavras escrevendo-se a si mesmas?
Gostei muito! E a fotografia é lindíssima!

arquivo

 
Site Meter