31.3.11

PEDRA A PEDRA

Pedra a pedra sabem os homens escrever
a memória dos tempos. Em Matchu Pichu, 
na Grande Muralha, na Grande Pirâmide,
ou em Babel que se diz teve uma torre.
Pedra a pedra, homem a homem, dor a dor,
chicote a chicote, a construção não para.
Mais alto, sempre mais alto, que a terra
é pouca e o céu é vasto. Inventam as escarpas
e sobem-nas, pé aqui pé ali, até ao medo.
Não olham para baixo que a pele da terra
os enfeitiça e no seu ventre há fogo. No topo,
diz-se, um ceptro de oiro a atiçar a cobiça.
Por ele continuam, ferida a ferida, corda a corda,
e as mãos sangrando, e as pedras poderosas
com janelas de sol, medindo luas, predizendo
futuros. Pelas alturas devorados, os homens
não regressam e já ninguém os sabe nomear.
Machu Pichu, Esfinge, Stonehenge, as pedras
essas ficaram e têm nomes. O ceptro de oiro
só o condor sabe onde reluz, mas não o diz,
e os homens continuam, de dor em dor, mais
alto, cada vez mais alto, cada vez mais longe,
até à fraga onde perdem o nome.

Licínia Quitério 

7 comentários:

hfm disse...

Quando el condor passa nas tuas palavras poéticas.

Nilson Barcelli disse...

Excelente texto.
Saio do teu blog sempre encantado com o que escreves.
Beijinhos, querida amiga.

Lídia Borges disse...

Pedra a pedra, dor a dor, a (des)construção... Do homem.

L.B.

Justine disse...

Magnífica metáfora, Licínia!
Numa construção despojada e forte, as tuas palavras são as pedras.

heretico disse...

excelente o tema! excelentes as palavras, que permanecem!

(para além da asas de cera que o sol derrete!)

muito belo.

beijos

Mar Arável disse...

Ai se as pedras falassem

nas falésias

M. disse...

Assustadoramente profético. Quase à semelhança de um texto bíblico. Implacável.

arquivo

 
Site Meter