2.9.13

RÉPTEIS


Têm a fala sibilina dos répteis, o andar rasante dos répteis, os lábios ausentes dos répteis, a ligeireza na fuga, o silêncio antes da presa, a transfuga da pele, o transvase da linfa, o desdem pela recta,  o êxtase dos tiranos, a ambição dos tolos. Quem lhes dera uma fita azul que atasse o corpo ao céu e ensinasse negócios de subida, de brancura, de travessia sem barqueiro e sem óbolo.  Quem nos dera a água que lavasse, a pedra que pesasse, o sopro que os mudasse e fossem peixe que nadasse ou ave que voasse ou réptil que de homem não soubesse.

Licínia Quitério

4 comentários:

Mar Arável disse...

Estou a vê-los

serpenteando

M. disse...

Sim, quem nos dera.

heretico disse...

mas continuam repteis...

alguns ratos!...

Anónimo disse...

Litania
vontade de que, pelo menos, os répteis tivessem asas e se pusessem daqui para fora.
Sim. Quem nos dera que aparecesse o chicote e a verdade sobre estes vermes.
Bj da bettips

arquivo

 
Site Meter