8.5.16

NUM VERSO LONGO



Num verso longo é que se joga a vida
Um verso longo e branco com sabor a caminhos,
a lonjuras
Um verso de palavras sonoras
a tilintarem nas esquinas 
gastas pelos corpos 
vivos de manhã
e à noite adormecidos
Jogar às escondidas, fechar vogais, abrir vogais,
gritar ditongos ou cantá-los ou sofrê-los
Das consoantes fazer cordas, saltá-las, 
repeti-las, ignorá-las
O verso é longo e a vida
perdeu o gosto de esperar
Melhor deixá-lo ali na alvura da folha
a jogar com as palavras
um dominó de velhos à tardinha
antes que o sol se esconda
e o verso se recuse

e emudeça

Licínia Quitério

2 comentários:

Graça Pires disse...

É sempre tão bom ler-te, minha amiga Licínia...
Um beijo.

Rui Fernandes disse...

E tu jogas tão completamente

arquivo

 
Site Meter