20.2.18

INTIMIDADES


Recordo hoje as horas em que líamos
sentados nos sofás da sala
todos desiguais
um era grande e escarlate
o outro era branco e outro ainda mais pequeno
tinha por cima uma manta de quadrados.
Líamos e de vez em quando falávamos do que líamos.
Raramente estávamos de acordo
como convinha à diferença que cultivávamos
com primores de jardineiro.
Recordo bem a tarde em que lias
relias
um livro sobre trigonometria
em búlgaro
tenho a certeza
a língua em que chegaste a sonhar.
Eu teimava em terminar um poema sobre o Pont-Neuf
que não leste.
Dessa tarde não recordo mais nada.
Talvez tu tenhas adormecido no sofá branco
e eu me tenha embrulhado na manta de quadrados.

Afinal era Fevereiro e fazia frio.

Licínia Quitério

3 comentários:

Mar Arável disse...

No mais íntimo da pele

Adriana Ribeiro disse...

Acompanho a muito tempo seu blog e sou muito fã de seus poemas. Cada poesia sua que leio me encanto mais. Obrigada.

Graça Pires disse...

Memória dos afectos.
Sempre excelente, Licínia.
Uma boa semana.
Um beijo.

arquivo

 
Site Meter