2.4.18

OS MUROS VELHOS



Os muros velhos dão guarida
a ousadias vegetais
formosos atavios
de rendas e recortes
a lembrarem vestidos
de pequenas bonecas
nos pequenos colos
das pequenas meninas

com grandes olhos
de encantar

Nos muros velhos acoitam-se
pequenos animais
contorcionistas
malabaristas
da cal e do granito
velozes frios fugindo
à astúcia predadora 
dos famintos

É bom atentar nos velhos muros
e nos seus  habitantes
vegetais e animais
a cumprirem a vida e os seus ciclos
a respeitarem o Sol e a sua lei
a esperarem a chuva
a suportarem a seca

Estes muros velhos
pacientes
resistentes
guardadores de seus bichos
suas ervas
sabem que vão desmoronar
no dia em que chegar
o cavalo negro à rédea solta
nas ancas fumegante
a marca do ferro do mandante

Era uma vez um muro velho
e os seus vegetais
e os seus animais

Começa assim a nova história
Do cavalo negro nenhuma história se escreveu
 
Licínia Quitério

1 comentário:

Mar Arável disse...

Nada é perfeitamente inútil
Bj

arquivo

 
Site Meter