16.4.06

EUGÉNIO DE ANDRADE


OS AMANTES SEM DINHEIRO




Tinham o rosto aberto a quem passava
Tinham lendas e mitos
e frio no coração
Tinham jardins por onde a lua passeava
de mãos dadas com a água
e um anjo de pedra por irmão

Tinham como toda a gente
o milagre de cada dia
escorrendo pelos telhados
e olhos de oiro
onde ardiam
os sonhos mais tresmalhados

Tinham fome e tinham sede como os bichos
e silêncio
à roda dos seus passos
Mas a cada gesto que faziam
um pássaro nascia dos seus dedos
e deslumbrado penetrava nos espaços

EUGÉNIO DE ANDRADE


O Poeta brasileiro Manoel de Barros afirmou: "Quero a palavra que sirva na boca dos passarinhos". A propósito deste poema à sublimidade do Amor, quero que o pássaro diga o que eu não sei dizer.


L.Q.

1 comentário:

De Amor e de Terra disse...

Aprendi a gostar da Poesia de Eugénio de Andrade ao conhecer
"Os amantes sem dinheiro" e ao ouvir alguns textos lidos por uma Amiga ligada ao Teatro.

Muito belo menina o que aqui apresentas.

Um beijo

Maria Mamede

arquivo

 
Site Meter