29.5.06

ALICE


Cecilia González Oreján (Técnica Mista)


quando ali me sentava
os anzóis prendiam as sombras da tarde a ganir com o cio
se a água do rio ao menos vazasse a prata sem dor
ou os meus pés fossem canas de pescar sapatos
mas ali sentada diante do nada
era lume brando a cozer traições
e a agonia dos peixes na berma da água
era o fim dos teus olhos a acabar a tarde
se ao menos os barcos passassem de véspera pelas ilusões
ou as redes vazassem sonhos menos fáceis
mas ali sentada com a alma trocada
pescava o diabo e as tentações
ainda que eu cruzasse a solidão entre as pernas
o cio esganava o brilho da prata caído no chão
mesmo que os anzóis mordessem a margem
nunca a rota dos barcos me corrigia a alma
e ali sentada de pernas cruzadas não tinha calçado
nem canas de pesca para a solidão

Uma jovem Poetisa que anda por aqui presenteou-me com este trabalho na caixa de comentários. Não resisti à tentação de o postar. A blogosfera propicia-nos encontros muito saborosos. Este foi um deles. Se o seu verdadeiro nome é Alice, eu não sei. Se tem 28 anos, também não sei. O que sei é que um Poema veio assomar à janela do meu Sítio. Estou muito contente. Por ti, Alice!

Licínia Quitério

12 comentários:

alice disse...

olá licínia, bom dia,

não sei o que dizer...

realmente, gostava muito de ter as palavras certas nesta ocasião, mas sou muito pequena para chegar à altura do seu gesto

o meu nome é alice e tenho 28 anos, de facto

quanto ao texto, escrevi-o depois de ver o filme da vinci code e chamei-lhe estocoma, palavra usada pelo tom hanks que significa " verás o que a tua mente quiser que vejas "

agradeço do coração o seu post

um grande beijinho

alice

alice disse...

querida licínia,

a tela é fabulosa, adoro...

tinha-me esquecido no comentário anterior

mais um beijinho,

alice

FOTOESCRITA disse...

Como é bom ter essa tua presença nos meus sussurros! :-) Obrigada.
Beijo.

FOTOESCRITA disse...

Sim, é belo este poema da Alice. E a tela também.

canela_e_jasmim disse...

Alice é um nome doce e o seu poema ligeiramente agri-doce, mas muito belo, bem escrito; gostei!As tuas escolhas sempre me encantam, amiga!
Abraço grande

Ana Luar disse...

Aqui encontrei a conjugação perfeita da cor com a palavra... simplesmente lindo!

Hortência disse...

Olá Licínia,
obrigada pelos versos deixados à espera de um sorriso. Muito lindo!
Lê-lo fez brilhar com força minha esperança...
Beijos
Hortência
ps: passo depois para ler o seu poema

JPD disse...

Fizeste bem, Licínia
O poema é uma delícia
Bjs

Ana disse...

Esta é a partilha e a divulgação que a blogosfera permite.
Alice passou a morar aqui :-)
Um beijo às duas.

agua_quente disse...

Muito belos, o poema e a tela! Um exemplo de agradável partilha neste mundo virtual.
Beijos

Sílvia Dias disse...

espetacular este canto...

zé fanha disse...

É mesmo um belo poema. Obrigado Licínia por o divulgares. Obrigado, Alice por tê-lo escrito.

Beijos José Fanha

arquivo

 
Site Meter