4.11.06

COISAS SIMPLES


Foto de L.Q.

Sobre a mesa de pinho
uma taça de vidro

Lá dentro
uma castanha brava
um tronco de alfazema
colhido no quintal
uma folha de choupo
que me bateu à porta
uma bolota que chegou do sul
uma falha de xisto
um pedaço de lava do vulcão
uma minúscula rosa do deserto
uma vieira um búzio
uma estrela do mar

Tudo tão simples

A natureza veio à minha casa
descansar


Há quanto tempo foi que, pela última vez, paraste e te sentaste e respiraste fundo e fechaste os olhos e folheaste o álbum das tuas imagens? Eu quero dizer aquele álbum a que colaste a etiqueta "Coisas Simples". Já não te lembras. É natural. Depois de tantos temporais, de tantas guerras, de tantos relatos em grito sobre essas guerras e esses temporais, como deves estar cansado. Tão cansado que tens medo de parar. Ou vergonha... Não tenhas. Acredita em mim. Parar é reconhecer a Vida. Pode acontecer que sintas um leve arrepio. Um estremecimento como se adivinha na relva pela tardinha. Não te assustes. É o sinal de que estás pronto para saborear de novo as pequeninas coisas que havias esquecido. Foram elas que fizeram de ti um homem grande. E continuam ao teu dispor. E gostam que as revejas, de olhos fechados. Com um sorriso doce. Assim mesmo. Assim...

Licínia Quitério

27 comentários:

ana prado disse...

tinha já saudades de passar por cá. e tinha razões para isso, passar aqui, continua a ser um prazer.

um abraço grande.

Era uma vez um Girassol disse...

Coisas simples...
Adorei!
Bjs

pitanga disse...

As coisas simples são sempre as mais importantes. Não saem de moda, não envelhecem e marcam a vida...simples assim.

beijos de domingo

legivel disse...

Dona Licínia:

Nem calcula a paz de espírito que esta missiva me trouxe. Porque era exactamente disto que eu estava a precisar: coisas verdadeiramente simples. A sua pista (tão simples e singela mas tremendamente objectiva) teve o dom de me pôr a vasculhar os meus albuns de fotografias de uma vida assaz complicada (imaginava eu!). Afinal a montanha pariu um rato; apenas tenho boas recordações de um percurso que memorizava fértil em acidentes terríveis como daquela vez em fui apanhado por um combóio da linha de Sintra e parti as duas pernas... mas que importância teve isso se ainda estou aqui para o contar e a estadia em Santa Maria me apanhou na época do Natal dos Hospitais?! Que mais poderia eu desejar. Na foto -um pouco amarelecida aparece o Artur Garcia a fazer-me uma festa na cabeça... Quanta ternura nequele gesto...
E aquela outra imagem em que apareço acompanhado pela minha segunda mulher três anos antes de um divórcio litigioso em que só faltou chegarmos a vias de facto no tribunal... Mas os nossos sorrisos é que ficaram para a posteridade...
Bem haja pela sugestão da sua cartinha de hoje.

O seu leitor assíduo,

A. de Legível.



(Um óptimo domingo!)

amadis / pintoribeiro disse...

Boa tarde Licínia e ao elogio da simplicidade. Abraço.

aquilária disse...

minha cara licínia:
em muitas coisas nos irmanamos. dá uma espreitadela ao meu post de 28.11.2005, "coisas simples".

deixo um grande abraço e o meu muito apreço

FOTOESCRITA disse...

"A natureza veio à minha casa
descansar"

Escreves com tanta sensibilidade, Licínia! Tens transparência no teu olhar sobre a vida. Gostei muito.

JPD disse...

Muito bonito!
:)

tb disse...

que bom que fecho os olho a cada dia...
Gosto do que escreves
jinhos

pintoribeiro disse...

Boa semana Licinia,

Sandra Cardoso disse...

Pois é isso que nos fica da vida, as pequenas coisas, o sorriso,o olhar, os cheiros, os abraços, as lágrimas, as palavras, assim, como as tuas...

Beijo

Isabel disse...

São as coisas simples que me fazem ficar por cá... é nas coisas simples que reside o grande e indesvendável mistério da vida.
São essas que recordademos na altura da morte.
Gostava de morrer rodeada de coisas simples.

Isabel

batista filho disse...

na partilha das coisas simples nos (r)encontramos.
maravilhoso post, nessa celebração à vida.
deixo o meu abraço fraterno.

Menina_marota disse...

As coisas simples, são sempre as mais belas!
É um prazer ler-te!

Um abraço carinhoso ;)

Teresa David disse...

Gostei imenso deste post que tem um conceito que sempre defendi ao longo da vida, que é a procura do prazer das pequenas coisas, quando o encontramos é-nos mto mais fácil tornar o nosso quotidiano mais feliz e belo.
Bjs
TD

cuco disse...

Adorei! " Fui essa pessoa", creia...

cuco disse...

P.S. Faltou dizer que vou "reservar" os seus ecritos para os (meus) dias menos bons.

vida de vidro disse...

Não lhes damos o devido valor, tantas vezes... Talvez porque estamos absorvidos demais pela voracidade da vida. É, de facto, preciso parar e sentir. **

pintoribeiro disse...

Bom dia,

António Melenas disse...

É Isso, a beleza das coisas simples... O que mais me agrada é esta interligação, esta complementarização entre o poema e a prosa, tão poética esta como aquele.

Obrigado pelo comentário no meu "Enquanto e Não". Pelos vistos não sou só eu que sou um cidadão atento
Um abraço
António Melenas

PS: Será desta vez?

amadis / pintoribeiro disse...

Bom dia, simplesmente. Um abraço.

Poesia Portuguesa disse...

"...Tudo tão simples
A natureza veio à minha casa
descansar..."

E eu descanso por aqui o meu olhar a ler-te.

Beijo e boa semana ;)

aidamonteiro disse...

As coisas simles. às vezes esquecemo-nos e tanta falta nos fazem...

Obrigada por este belo texto.
Abraço.

Teresa David disse...

passei por aqui para ver se havia novidades, mas continua nas coisas simples e belas, pelo que me limito a deixar um abraço e desejos de bom fim de semana que ele começa a aproximar-se.
Bjs
TD

DIAFRAGMA disse...

Lindíssimo o teu texto. E adorei a simplicidade da fotografia. Não podias ter escolhido melhor.

Menina_marota disse...

Vim dar-te os parabéns pelos belíssimos poemas lidos na voz do Luís Gaspar.
Uma delícia ouvir a tua escrita, fica ainda mais especial.
Grata pela tua partilha.

Um abraço carinhoso ;)

amadis / pintoribeiro disse...

Bom dia, bjinho,

arquivo

 
Site Meter