1.5.07

ABRIL E MAIO



Sentado no degrau do mês de Abril,
Assim te quero.
Muitos livros abertos no olhar
O das perguntas ainda sem resposta,
O dos enigmas dos sonhos de cristal,
Os de aventuras de heróis,
Sem nome e sem morada,
E os outros, lavrados de paixões
Incendiadas de manhã
E à noite amortecidas.

Assim te quero.
De mãos limpas do pó e das ofensas.
Os braços tensos pela espera
De outros braços.
No desalinho dos cabelos,
Os alvos, luminosos fios
dos tempos de passagem.

Só não te quero se não cantares.
Que a tua voz fala de Maio
E é por ela que Abril há-de voltar.

Era Abril quando a casa me espreitou. Uma velha menina solitária, a descansar as suas pedras nuas. A porta entreaberta a convidar o cheiro das flores, o piar das aves, o rumor das árvores tocadas pela mornidão da brisa. Assim eu poderia falar da casa perdida na paisagem sem homens. Não consegui. Se me perguntam onde a vi, digo: Está onde Abril não chegou. Um sonho em ruínas, rodeado de mal-me-queres. A porta, essa sim, ainda entreaberta. Na esperança teimosa de um Maio que bem-lhe-queira.

Licínia Quitério

28 comentários:

legivel disse...

Ah! Abril e Maio
meses irmãos inseparáveis
amigos do seu amigo.
Connvosco cantei esperanças
de futuros incontornáveis
de educação, da paz, do trigo.
Hoje, estão longe os risos e as danças.

Aceno-vos ao longe deste tempo com simpatia e a ternura da ingenuidade perdida. Que a coisa política é o contrário da festa da amizade, da lealdade, da palavra dita olhos nos olhos. Aprendi isso tão rápidamente que ainda hoje me custa a crer...


Beijinhos.

Amaral disse...

É um banho de frescura vir aqui e ler e reler estas palavras feitas prosa e poesia, alinhadas no propósito de nos despertar recordações e sentimentos.
Abril e Maio, meses que se querem, que queremos, que nos acenam de esperança...
Apetece cantar com Abril, apetece abraçar os ares de Maio, nas ruas empedradas da nossa terra-natal...

sonhadora disse...

de cor, de palavras e de sonhos se faz a vida. Colhe lírios, abraça borboletas, respira Maio e degusta a liberdade.


S._________________________







Beijinhos embrulhados em abraços

M. disse...

Lindo! Lindo! Exultemos com as tuas palavras!

M. disse...

Esqueci-me de dizer que esta fotografia é belíssima.

A.S. disse...

Falta ainda muito para que se cumpra o sonho de Abril e se consolide a força do Maio! Mas é esse o destino, apesar de "eles" andarem por aí!...

Um beijo!

António Melenas disse...

Estupenda esta tua alegoria da velha casa de portas abertas para acolher um Maio que há-de chegar. Um Maio outro que contenha em si um Abri renovado. Um Maio mágico mas não malévolo, deixando de fora as Maias
malvadas da crendice popular
Um grande beijinho para ti

APC disse...

Porque eu gostei tanto, tanto, deste casamento poético... Marte e Afrodite, Fogo e Terra, Guerra e Amor, fecundidade...

Especialmente por isso, hoje. Mas não só por isso:
http://camuflagens.blogspot.com/2007/05/thinking.html

Um abraço! :-)

herético disse...

oxalá-a-Mulher-de-Vermelho-cante-assim.-de-portas-abertas.-sentada-num-degrau-de-Abril.

em-coro-de-muitas-vozes.

APC disse...

Ressalvinha: Marte e Vénus (Ares e Afrodite).

JPD disse...

Abril, Maio meses de ensejos fulgurantes!

Bjs

bettips disse...

Reverência. Beijo-te a mão que escreve o poema. Abraço a prosa que embala o berço do nosso pensamento. Este Abril e Maio que festejas, lindos!

Maria P. disse...

Mais uma vez aqui está tudo dito, e tão bem dito! E porque Maio me diz muito, gostei mesmo.

Beijinho amiga*

APC disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
vida de vidro disse...

Abril é a promessa que em Maio se deve cumprir. Diícil é dizer algo não trivial sobre aquilo que escreves. Um texto no fio da esperança dessa porta entreaberta. Belo, pois. **

Eufrázio Filipe disse...

De portas abertas e janelas escancaradas seremos crianças?Já somos crianças?Sim um dia seremos crianças e permitiremos que o mar entre desgrenhado sem bater à porta - porque é nosso.Porque é nosso?Seja como for - seja de quem for - mas que seja.


Também vou espreitar a sua janela

Entre linhas disse...

Grande capacidade de síntese, a vida é composta por sonhos de várias cores.

Bjs Zita

Diafragma disse...

Lindíssimo texto e belíssima fotografia.

D. Maria e o Coelhinho disse...

Que serenidade
vem
me vem
das tuas Palavras !



Editado por: D. Maria

Paula Raposo disse...

Gostei imenso de te ler! Beijos.

bogus disse...

Abril (assim) reconforta!
Cumprimentos.

Teresa David disse...

a primeira coisa que me chamou a atenção foi a foto que me fez lembrar qualquer dos quadros do Pissaro! Quanto às palavras são de um apuro e qualidade sempre constantes.
bjs
TD

un dress disse...

da mais profunda nosTalgia

cheGa maiO.





a.la.Do



...

alice disse...

eu sou filha de maio. nasci amanhã, imagina. há muito tempo atrás. estou deveras nostálgica. não me apetece nada ficar mais velha... e o teu poema deixou-me assim. sem fôlego. beijinho grande.

bom fim de semana ;)

TINTA PERMANENTE disse...

Há, creio, uma paisagem inteira, florida e perfumada, lá onde Abril não chegou...
Ouvi o vento dizer que lá mora a Esperança...
Abraços, amiga!

APC disse...

Olho para o título e leio abaixo dele: "águas mil e tempestades"!
E depois olho para a rua e vejo claramente como a poesia é uma janela.

Um abraço.

Nota: comentário feito há uns dias atrás, mas como tinha um erro, apaguei-o e repu-lo agora.

bom dia isabel disse...

Um poema, um texto, simbiose sempre perfeita.
Gosto do teu blog.Deixo-te um beijinho e desejo-te um bom fim de semana.

Eric Lung disse...

Olá Licínia,
Foi Abril o sonho vivo do nosso povo e cantado pelos poetas de então.
Maravilhoso legado que vós guardais, que despertam levemente os jovens para que Abril não seja esquecido.
Sim, hoje o desafio é descobrir o Abril que habita nas vossas almas.
Sorte a nossa!

arquivo

 
Site Meter