16.1.08

CENÁRIOS IMPROVÁVEIS 3







Temos tanto mundo para andar.
É só redescobrir o antigo olhar e perscrutar o interior das grutas.
Expulsar da pele os detritos do tempo.
Caminhar ao acaso sobre tesouros e segredos.
Repegar os cenários improváveis do anúncio que fomos e aguardar naturalmente a explicação das pedras.


Licínia Quitério


19 comentários:

Rui disse...

Adérito leu a placa colocada na entrada e encontrou nela o estimulo que lhe faltava. Respirou fundo e atravessou o arco de branco caiado que dava acesso à Recepção do campo naturista.
Escusado será dizer que não transportava bagagem.

hfm disse...

Tão belo. E que dizer dessa "explicação das pedras"? Sublime.

isabel mendes ferreira disse...

improvável o destino...seria mesmo um crime...

não vir hoje aqui.



sublimadamente.



bom dia.


(maravilha)

Maria Laura disse...

Tu dizes coisas... Sim, seria talvez a forma de chegar à explicação das pedras.
Belíssimas, as coisas que dizes.

Joaquim Amândio Santos disse...

o que é o conhecimento?

visão directa do corpo e da atitude?
prolongado caminho nem que condutor à saturação encapotada?

Vivência superficial feita de fait-divers e não de curiosa partilha sem hora nem condicionalismos marcados?

Será assim tão impossível iniciar o conhecimento na distância? julgo que não e defendo tal desiderato.


ASSIM AQUI DEPOSITO A MINHA HOMEGAEM AOS BLOGGERS, ESSES ALADOS TRANSMISSORES DE LAÇOS DE PARTILHA!

herético disse...

gosto muito do repegar de "cenários improváveis". são sempre os mais secretos. e belos...

Cusco disse...

Olá!
Obrigado por todas as visitas que ao longo da existência deste blog me fizeram.
Se quiserem passem pela minha casota.
Vou apresentar-vos o meu dono.
Obrigado!

M. disse...

Belíssimo, Licínia, belísismo!

maria m. disse...

«Temos tanto mundo para andar.»

verdade que sim. às vezes esquecemo-nos.

gostei muito.

rosasiventos disse...

e abro essa porta solar


aos animais de veludo


aos satélites sem rota


abro as mãos de vento e rosas


de par em par



:)

un dress disse...

pedras que se explicam

como se explicam os pássaros:

por dentro!





.beijO

batista disse...

nesses cenários improváveis a prova inconteste que a poesia é ar e água.
um abraço fraterno.

São disse...

Bom para lavar a alma!

Boa semana.

legivel disse...

... se com a explicação dos pássaros me vi grego -sem falar no meu explicador de ciências ocultas que nunca me chegou a esclarecer claramente aquela história do défice, aguardar que as pedras me expliquem o sentido da vida...

... muitos sapatos ver ter ainda de comprar. Cá no fundo, havia uma voz que me dizia: "vá! vai lá ao Calçado Guimarães que és lá cliente. E eu que não queria acreditar.

PS: espero bem que ao andar a meter o nariz no interior das grutas, não me saia de lá algum urso que me ponha inválido para o resto dos meus dias. Já tirar da pele os detritos do tempo, penso que tenho cá sabonetes que cheguem.

saudações sorri-dentes.

bettips disse...

E dizia eu hoje "de improváveis" ideias...ainda não tinha aqui vindo...
É, o ar e a terra que faltam.
Tão bonito o que transparece quereres para ti: e transmites com generosidade! Bj

Graça Pires disse...

O interior das grutas. Os segredos. Os mistérios. Os improváveis caminhos.
Um beijo.

Bloga Comigo disse...

Queres blogar comigo? Eu quero blogar contigo.

Bjos

JRL disse...

temos tanto mundo para andar... :) que belo início pata o teu cenário improvável...

Marinha de Allegue disse...

Ainda temos moito que descubrir non si??.

Apertas de sorpresa.
:)

arquivo

 
Site Meter