24.5.09

À TARDE O VENTO









Chegam, nas mãos do tempo,
as flores de papel. Amarrotadas. Esmaecidas. Brilharam em festões de romarias sem santos nem milagres. Suportaram a fúria de corações em fogo e as bátegas mornas, com cheiro acidulado de vulcões. Enregelaram na solidão da serra e dormiram sem sonhos de manhã. A lembrança da árvore foi o fio, a seda, a corda que as sustentou nas paredes do vento. São dele agora as flores e a leveza. Quando passam por nós, ao fim da tarde, e um mesmo vento as beija, há um tremeluzir por entre as copas, a indiciar novas florestas.



Licínia Quitério

13 comentários:

Maria disse...

E novos tempos, em cujas mãos nos voltam a chegar...
Que lindas as tuas buganvílias!

Beijo, Licínia

hfm disse...

Das flores, do vento, do tempo, do nosso tempo, da tua sensibilidade. Lindo!

Paula Raposo disse...

Gosto das coisas lindas que o vento nos traz! Muito belas as tuas palavras. Como sempre, Licínia. Muitos beijos.

Arabica disse...

Buganvilio-me contigo, Licínia, na sede de novas florestas.


Brisas de novo ar.


Beijo de bom domingo!

Lídia Borges disse...

Muito expressivo este texto como é habitual, neste sítio.
As flores de papel ainda que amarrotadas e esmaecidas não são desprezadas pelo vento...

Justine disse...

Todas as flores, mesmo as que não são de papel, acabam por pertencer ao vento.E o tempo se encarregará de as transformar em floresta..

Graça Pires disse...

Flores de papel e vento. As mãos reclamando a ternura...
Um texto muito belo Licínia.
Um grande beijo.

heretico disse...

flores que cumprem o seu destino - embelezar a vida...

beijos

maria m. disse...

belas as palavras que nos fazem chegar as «flores de papel»!

Marinha de Allegue disse...

Suxerencias evoltas en flores...

Beijinhossss minha amiga.
:)

legivel disse...

... desenhar a passagem do tempo em traços seguros e poéticos adornados por flores. Esmaecidas ou não serão sempre flores. De e sobre papel. Da tua criatividade à atenção da minha fantasia.

De Amor e de Terra disse...

Belo, como sempre.

Sei que me repito, mas a culpa não é minha!

Beijos

Maria Mamede

M. disse...

De volta a estes quadros que há muito não via, encontro aqui uma espécie de beleza oriental na leveza das imagens-aguarelas e das palavras.

arquivo

 
Site Meter