29.8.11

O BALANÇO, O BALOIÇO


O balanço, o baloiço,
para cá, para lá,
vai acima, vai abaixo,
corre corre, para para,
sobe agora, desce logo,
tem cautela, sem temor,
lá ao longe, aqui ao pé,
foge foge, fica fica,
não te largues, salta agora,
fecha os olhos, abre a boca,
porque gritas, porque cantas,
tantas vezes, quantas vezes,
olha o chão, olha as estrelas,
e o menino, qual menino,
já não é, já não se lembra,
foi pequeno, foi maior,
subiu subiu, desceu desceu,
e o balanço e o baloiço
vai acima, vem abaixo,
para a frente, para trás,
mais depressa, devagar,
e a menina, qual menina,
já não é, já lá não está,
foi acima, foi abaixo,
foi ao céu, caíu ao chão,
correu correu, chorou chorou,
e o baloiço e o balanço
já não sobe, já não desce,
e o menino não voltou
e a menina não voltou,
e o baloiço lá ficou.
Foi a sorte que mandou.

Licínia Quitério

8 comentários:

Maria disse...

Os meninos e as meninas crescem. Os baloiços ficam. A lenga-lenga é muito bonita, Licínia.

Um beijo.

Anónimo disse...

O tempo, o tempo...
Agrades

Lídia Borges disse...

O recurso às repetições dá um ritmo ao poema que nos embala como o balanço do baloiço.
Delicioso!

Um beijo

L.B.

Virgínia do Carmo disse...

A vida é mesmo este baloiço...

Gostei imenso.

Beijinhos, Licínia

heretico disse...

a desolação de um baloço em silêncio...

nostalgicamente belo.
beijos, amiga

Graça Pires disse...

Voltar à infância. Voltar ao baloiço de brincar. Agora só o baloiço da vida... Muito belo!Um beijo, Licínia.

Justine disse...

Tanto eco de infância, Poetisa! Tanto ritmo de vidas vividas e que não voltam!
Deixei-me balançar:))))

M. disse...

Assim se faz a história de cada um de nós.

arquivo

 
Site Meter