7.3.13

UM PRESSENTIMENTO


Um pressentimento apenas, um recado em água de riacho. Longe ainda o seu caminho de asas, buscando a cor na malva-rosa, num sortilégio nascido e apetecido. É no torpor da tarde que o milagre acontece, as bruxas dançam e o magma acende estátuas nas colinas. Se de rebanhos se falasse soariam chocalhos e balidos a anunciar a escuridão de volta. Marmóreo o corpo encerra a claridade e repete a metamorfose da rosa que será terra, bicho, estrela-mãe, na minúscula imensidão do que sabemos. 

Licínia Quitério 

2 comentários:

Mar Arável disse...

Todos os dias
uma mulher em flor

Unidos contra muros e amos

bettips disse...

Como disse, gesto de ave...
Bj

arquivo

 
Site Meter