31.5.10

AS MENINAS


Eram meninas e brincavam.

Inventavam a floresta
e ela acontecia.
Escondiam-se e um manto
de asas de anjo as encobria.
A noite era um sítio longe
e o dia brotava-lhes das mãos.
Escutavam as árvores, 
o namoro das copas. 
As meninas tinham caixas
de guardar segredos
com chaves pequeninas,
invisíveis.
Nelas dormiam os cavalinhos brancos
de galopar, de galopar.
As meninas apressam-se a crescer.
Apagam as florestas antes que a noite chegue.
Já não se escondem, as meninas.
Souberam que não há anjos sem asas.
Deitaram fora as caixas dos segredos.
Foram-se embora  os cavalinhos,
a galopar, a galopar.
Estão tão grandes as meninas.
Pequeninas ficaram as chaves
invisíveis, 
para que o vento as leve
mundo fora, a voar, a voar.

Foram meninas e brincaram...

Licínia Quitério

16 comentários:

José Carlos Brandão disse...

Linda fábula das meninas. Uma atmosfera de sonho, de pureza. Ficou um poema sugestivo. Faz ver o sítio - com algo de mágico.
Abraços.

Maria disse...

A lei da vida neste poema, ou parte dela.
Eu ainda guardo as caixas dos segredos...

Um beijo, Licínia.

hfm disse...

Da ternura. Da poesia. Gostei. Muito.

quicas disse...

É muito belo
seu poema
e...
dá que pensar!

Saudades das meninas?
... ou das caixas de segredos?!

(Talvez dos cavalos brancos
a galopar... a galopar...)

"Foram meninas e brincaram"!

Beijinho

Amélia disse...

Gostei mesmo muito, Lic+inia.Beijo

Ana disse...

Por vezes, as meninas ficam meninas a vida toda. Guardam as suas asas da infãncia e voam. Através das palavras e dos sonhos!
Um beijo, amiga Licínia *

Justine disse...

A atmosfera onírica da infância, que a vida nos vai roubando.
Mas dito de um modo tão belo, amiga poetisa:))

heretico disse...

continuam a gusrdar as chaves do sonho. as (tuas) meninas...

muito belo

beijo

Lídia Borges disse...

Mágico este cenário...

Uma pena as meninas terem crescido!

L.B.

legivel disse...

... e a pressa que se tem em crescer?

E depois não há maneira de voltar atrás. Apenas assim, como tu fizeste aqui.


Beijos e sorrisos.

avezinha disse...

Belo o poema.
Belos aqueles tempos de menina que vão e não voltam mais.
Ficam as recordações...

Graça Pires disse...

As meninas continuarão a sonhar com os cavalinhos brancos...
Um poema cheio de magia e encanto.
Um beijo, Licínia.

Filó disse...

Que poema bonito...e ternurento
As meninas que brincaram e cresceram com os cavalinhos brancos que foram embora galopando...galopando...numa floresta inventada.

Um beijinho amigo

Rui Fernandes disse...

Nostálgico, minha cara. Muito nostálgico. E a menina que ainda há em ti?

Mel de Carvalho disse...

eram meninas e brincavam, na invenção da flores, a descoberta do ser e o regresso à infância na magia de um poema.

sabe Licínia, em tempo idos, há uns séculos atrás, tive também uma amiga com o seu nome e "éramos meninas e brincávamos" e hoje em dia, o tempo pegou nos ramos das florestas e tenta apagar os caminhos que partilhámos. e nós teimamos em os reavivar. a amizade é um bem precioso, como este seu poema e tantos outros que, lendo, não comento.

fica um beijo, muito grata pela partilha.
Mel

M. disse...

Para contar às crianças, que elas entendem estas histórias de um modo muito especial.

arquivo

 
Site Meter